quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Trabalhos forçados

Fez há dois dias um mês em que publiquei aqui o meu último post. Muitos (de vez em quando até eu, confesso) me julgavam de férias quando a realidade era bem diferente. Aconteceu, precisamente, o contrário...Fui inesperadamente invadido por entrevistas, pedidos, trabalhos administrativos e muitas correrias. Toda esta actividade inesperada teve origem no lançamento do meu novo livro de poemas, mas também na saída para o mercado de um Best of de Moonspell que foi visto, por muita da Imprensa que quis falar comigo, como um marco, um balanço, uma consagração, sei lá, e, por consequência, teve uma divulgação e procura que eu não esperava. De todos os balanços que eu posso fazer agora é que de repente fiquei sem tempo (logo quando contava com tanto desse precioso possuir) e tive de me amanhar. Passei a tomar banho todos os dias para não parecer muito mal nas sessões de fotos e perante a pilha de e-mails, entrevistas, coisas para resolver, mandei o blog a banhos, com muita pena minha. Logo agora que estava, penso eu, a fidelizar visitantes, estimulando as suas próprias faculdades observativas. Voltei hoje numa meia hora entre coisas para vos dizer que conto não deixar este blog a ganhar pó durante tanto tempo. Quero-lhe dar a vivacidade que ele merece apesar do Verão que nos chama a tudo menos a reflexões sobre o Metal. Contem comigo.

As férias fazem-me alguma impressão. Melhor, não as férias, mas a obsessão que se tem por elas que atinge o seu zénite neste mês em que, por infortúnio, nasci. Já em Dezembro se ouve falar delas e é inacreditável que num país com tantos problemas de produção (e preguiça) se exiga e goze de tanto lazer. Lá está, não é o lazer (uma vez mais) que me preocupa, mas o espaço (total) que ele ocupa nas nossas vidas mesmo que a gente não queira.

Mas não foram só inqueitações e trabalhinhos este mês/hiato. Toquei na Europa, visitei duas terras prometidas para os metaleiros (Tuska, Finlândia e finalmente Wacken, Alemanha) e guardei muitas impressões para partilhar convosco. Desculpem este tom coloquial, é do Sol. No entanto a Loud! já saiu este mês com os Amorphis (grande disco!) na capa e o meu Portugal Quintal lá para o meio. Também já entreguei o artigo do próximo número, esperando que suscite interesse. Debate a dinâmica entre bandas que ficam na sombra (refinando-se ou desaparecendo) e bandas com um lugar ao Sol (queimando ou ficando de ouro). Digam de vossa justiça. Para a semana sem falta, com tempo ou sem ele.

6 comentários:

Grind On disse...

Olha eu também vim agora de férias, e só agora é que vim ao Blog. Apesar de ser o mais polemico, estou fidelizado.

No Algarve ainda ouvi uma entrevista tua numa radio qualquer... falou-se lá neste blog e que comentou-se que já houve arrufos por cá! Por acaso não acho... acho que existem opiniões diferentes. Umas mais diferentes que outras (como as minhas, claro...).

Gostava de ter-vos visto no Wacken, já lá fui 2 anos (1999 e 2000) e aquilo é um mundo. Consta que se está a tornar impessoal demais.

DirtyHobbit disse...

fico a espera de novas palavras vindas de ti.
é pena andares ocupado, as vezes um bom descanso é necessário.
beijinhos =D***************

ines disse...

A fidelização está mais do que conseguida.Dia sim dia não à espera de um post:) foi uma boa supresa.Nunca pensei que estivesses de férias,talvez sem tempo era mais o meu pensamento.E desse talvez sem tempo é o que me leva a discordar um pouco da tua opinião de moleza generalizada.Há pessoas que trabalham tanto,todos os dias que o único conforto é terem umas fériazitas e fazerem um pouco de praia ou campo com a família...(Bom,vou de férias amanhã!) Espero bons posts fresquinhos,quando tiveres tempo,claro:) asteriscos cinnamon.girl

lakecoventina disse...

Seja BEM-VINDO!
Embora seja cansativo ter muito trabalho,é melhor assim,isso prova reconhecimento á todo seu esforço,seu talento.
"Eka"voçe não toma banho com frequencia,algo que não imaginava vindo de um virginiano.
Por que infortúnio mes de agosto em que nasceu?Eu também sou de agosto,tenho orgulho disso.
Concordo,as férias,feriados,que são muitos no Brasil,atrapalham o desenvolvimento das pessoas e do País!Apesar de uns dias de férias fazerem muito bem!
Fala aí que o sossego chegue na velhice e na morte!
Abraço obscuro á todos!!!

endovelico disse...

bem vindo de volta!
férias é algo que já não faz parte do meu vocabulário desde que ingressei no ensino superior(as ferias sao para trabalhar, e durante as aulas,lá se vai tentando manter um part-time).
Fico feliz por tanto o livro, como o best of terem tido tanto sucesso!!\m/

Em relação às férias...eu acho normal.Se já se gosta de não tralhar muito, entao trabalhar nada é fenomenal! Em Milão, por exemplo, mais de 90% da cidade para! as férias são mesmo uma obcessão para essas pessoas!lojas fechadas, ruas vazias... Chega a ser sufocante, ver uma cidade assim! A plebe suiça poupa o ano todo, para gastar em 15 dias, numa ilha qualquer perdida no mar das caraibas, ou num qualquer hotal de 3 estrelas em espanha.
Não creio que pensemos mais que os outros nas férias e tempo de lazer. Apenas gostamos de as curtir(quando as temos) da melhor maneira!

Best Regards

P.S.- Ter que tomar banho todos os dias é mesmo lixado!=\ xD

Helena disse...

"apesar do Verão que nos chama a tudo menos a reflexões sobre o Metal"

Já na LOUD! deste mês notei a referência a este facto, tanto no Spectator como no Editorial do Rodrigues, e... não concordo nada com isso! :D
Será verdade que este sol exageradamente luminoso não aludirá talvez a sons vindos do norte da Europa, mas olha que estou neste momento a ouvir o novo de Amorphis (que, sim, está estrondoso) e condiz perfeitamente seja com que tempo for. :)
Acho que a coisa se resume a não existir uma má época para ouvir e falar de Metal. Deixem-se disso.

Lembrem-se que Agosto tem as suas vantagens: cidades mais calmas para quem gosta de as visitar sem todo o rebuliço normal do tempo de trabalho, e... e... Bom, e esplanadas sempre disponíveis para se tomar uma loira fresquinha, quanto mais não seja. :P Tentei, mas realmente não estou a ver mais vantagem nenhuma...

O que a mim me faz impressão não é a obsessão das pessoas por férias. Acho que isso é muito normal quando a maioria delas (pessoas) tem um trabalho de que não gosta. Não falo nas que não gostam do trabalho, já de si, isso é outra estória. :D Mas o facto é que há muita mas muita gente em empregos que detesta, mas que tem que aguentar porque precisa de um salário no fim do mês. Não censuro essa dita gente por ansiar por férias o ano todo, mas tenho pena que passem 11 meses à espera disso. E também não acredito que, vivendo desse modo, essas pessoas se preocupem muito com a produtividade geral do país... Mas aí já as censuro.

A mim faz-me impressão é a romaria para as praias. E para o Algarve. Não percebo a obsessão (aí sim) pela praia. Se fôssemos um povo que vivesse todo o ano com temperaturas baixas, que não tivesse(quantos?) 900Kms de costa... ainda percebia. Mal pudessem, as pessoas mudavam para um sítio diferente, mais quente e com mar, que era coisa que não viam 'todos os dias'. Mas... os portugueses? :|
Tanta coisa bonita para ver, para fazer... e vão esticar-se a tostar ao sol um mês inteiro? :| Não percebo.